Os principais erros das empresas nas redes sociais
18 de fevereiro de 2016
Exibir Tudo

Como as viagens nos ajudam a ter uma visão mais empreendedora?

 

Um tempo atrás me fizeram duas perguntas interessantes pelo facebook:

  • O que eu estava aprendendo morando em Londres?
  • E a porque eu viajava muito?

Bem, então já temos três perguntas para responder. Não vou colocar aqui as respostas completas que escrevi das duas últimas, pois são longas e só me permitiram escrever no máximo uma lauda e meia (risos). Mas vou fazer uma conexão entre as três.

Quando moramos em outro país, passamos por vários desafios, provações, experiências, e temos que e estabelecer alguns vínculos para sobreviver e caminhar em frente. E é ai que entra meu aprendizado morando fora do meu país.

Na primeira pergunta respondi que estava apreendendo a trabalhar melhor, com novas e intermináveis tecnologias, pois aqui todo dia surgia uma novidade. Que estava aprendendo a ser produtivo ao invés de trabalhar rapidamente e que aqui eles sabiam fazer direito, mas isso era um capítulo a parte, e dá até um livro inclusive. Que o mundo era feito de conexões, mas que era importante escolhermos bem a nossa para não nos arrependemos depois. Que eu estava aprendendo a falar inglês corretamente, por incrível que pareça. Aprendendo que o frio era psicológico. Claro, isso quando estávamos com um bom casaco, gorro e luvas principalmente. Aprendendo que as pessoas eram iguais em qualquer lugar do mundo, porém aqui elas tinham lindos olhos verdes. Aprendendo a ter desapego que o que era meu agora não seria meu para sempre. Com exceção do celular, é claro. Aprendendo a ter paciência, a ter paixão pela que eu fazia. A amar muito mais minha família. Aprendi que meu objetivo era ser uma pessoa melhor do que ontem. E com isso eu poderia ajudar melhor as pessoas que eu amo, e as que eu não amo também. Pois quanto mais gentil eu ficava mais forte eu seria. E que por fim, aprendi que a batalha não é entre o bem e o mal, mas entre o conhecimento e a ignorância.

E na segunda pergunta, respondi que:

Uma viajem é a única coisa que compramos e que nos torna mais ricos.  Que você pode até não possuir bens matérias, mas terá sabedoria para encarar os problemas, além de muita história pra contar. Que depois de certo tempo viajando você não gasta mais com supérfluo, pois descobri realmente o verdadeiro significado dessa palavra. Que viajar muito, com o tempo torna-se muito mais barato que viver em uma zona de conforto, por incrível que parece. Que sair da zona é a melhor forma de nos superarmos, nos encontrarmos, nos reinventarmos e melhorarmos a cada dia.  Nos tornando mais humildes ao nos tirar da bolha egocêntrica e nos mostrar que o mundo é muito maior – e mais complexo – do que nossas mentes insistem em imaginar. Que viajar é uma ótima forma de provar que você pode ir muito mais longe do que imagina. Possibilitando várias experiências novas, despertando curiosidade e espontaneidade que geralmente bloqueamos no dia-a-dia.
E quando viajamos tudo é novo, fantástico e, consequentemente, referência. É a melhor forma de se inspirar, desenvolver a criatividade e ficarmos mais apaixonados pelo o que fazemos. Além de nos tornarmos menos preconceituosos. Passamos a entender – e admirar – culturas que antes apenas julgávamos sem conhecer ou entender. Por ter que lidar o tempo todo com improviso. Viajar é uma ótima forma de desenvolver habilidades que nem você sabia que tinha. Pois quando estamos na rotina, muitas ações são programadas, e nas viagens nunca há como prever o que vai acontecer, principalmente quando você está sem Money.

Porque viajar nos reconecta com o fluxo do universo, ao nos fazer sentir vivos, vibrantes, apaixonados, verdadeiros, curiosos, interessados, surpresos, gratos, humildes, como deveríamos ser em todos os dias de nossas vidas.

Viajar é definitivamente algo que nos muda e que desperta sentimentos únicos e o que é melhor, prova que não sabemos de nada, inocentes

E por fim, nos torna um eterno aprendiz além de despertar a vontade de colocar em prática tudo aquilo que você viu que está dando certo em outros lugares do mundo, como abrir uma franquia de comida saudável ou um site que venda produtos digitais, por exemplo.

Empreender é improvisar, é economizar, é investir, é ter paciência, ter desapego, ter sonhos, ser uma pessoa melhor, ter objetivos, é ser forte, ser gentil e educado, e acima de tudo buscar eternamente conhecimentos.

Quer uma melhor forma de desenvolver uma visão empreendedora que essa? Bem, eu desconheço.

E no mínimo, morando em outro país ou viajando pelo mundo, você já vai empreender. Vai empreender sua vida.

 

Angelo Percy, Revista VOX SA – 05ª Edição, 2014.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *